Saidas para observação de aves

Estas saídas são a atividade que leva a um dos principais objetivos deste encontro, que é a observação de várias espécies “ícones” da região. Tivemos muitos observadores vindos de praticamente todo o país, que tencionam observar espécies como a escrevedeira-amarela, o picanço-de-dorso-ruivo, a petinha-das-árvores, a sombria, o melro-d’água, o melro-das-rochas…

 

As condições meteorológicas foram bastante adversas, mas a grande persistência e motivação dos observadores no conjunto permitiu a observação de uma centena de espécies, que é um excelente número dadas as condições. Particularmente, a maioria dos observadores acabou por conseguir a observação das espécies alvo, mas ficou “água na boca” pois faltaram melhores condições para desfrutar das observações.

Na sexta-feira, começou-se com o "pé direito" observando-se na Serra do Larouco o melro-das-rochas em dois locais diferentes, e desde logo uma série de espécies interessantes como o tartaranhão-caçador, o tartaranhão-cinzento, o picanço-de-dorso-ruivo, a petinha-dos-campos, a sombria...

O sábado foi o dia mais complicado em que a chuva persistente praticamente não parou. Durante a manhã foi possível observar a escrevedeira-amarela na zona de Donões e só no final da tarde é que foi possível aproveitar alguns momentos, junto da albufeira do Alto Rabagão, perto de Aldeia Nova. De entre algumas espécies interessantes destaca-se um primeiro registo para este local, de uma gaivina-preta (Clhidonias niger).

O domingo iniciou de novo com chuva e só a meio da manhã é que foi possível observar aves pela zona de Tourém. Ainda se conseguiram observar bastantes espécies e houve momentos interessantes como por exemplo a observação em simultâneo das cinco espécies de andorinhas, os vários bútios-vespeiros, mergulhão-de-crista, águia-cobreira, ógea, seixas…

Na tarde de domingo  a chuva deu tréguas, permitindo finalmente um passeio agradável pela Mourela e ainda uma nova visita às escrevedeiras-amarelas de Donões.

 

...em construção...